Ministério dos Transportes
Sociedade

Ministério dos Transportes reage com profunda consternação ao acidente ferroviário

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GABINETE DO MINISTRO

COMUNICADO

O Ministério dos Transportes tomou conhecimento do acidente ferroviário, ocorrido na manhã desta terça-feira, dia 4 de Setembro, no quilómetro 115, localidade do Munhino, província do Namibe, entre um comboio de mercadorias, do Caminho-de-Ferro de Moçamedes, (CFM), no sentido descendente Lubango/Namibe, que transportava granito e um outro comboio, ao serviço de manutenção da via, pertencente à uma empresa chinesa, no sentido ascendente Namibe/Lubango.

Do acidente resultaram 17 vítimas mortais, sendo dois maquinistas do CFM, dois maquinistas de nacionalidade chinesa e 13 cidadãos nacionais trabalhadores da empresa chinesa, assim como foram registados ferimentos em 10 trabalhadores de ambas empresas.

Os feridos deram entrada no hospital central do Lubango, onde estão em tratamento, dois dos quais já receberam alta.

O Ministério dos Transportes informa ainda que criou uma comissão de inquérito, coordenada pelo secretário de Estado dos Transportes Terrestres, Guido Waldemar, no sentido de, não só averiguar as causas do acidente, mas acima de tudo, apurar as eventuais responsabilidades cíveis criminais.

Do apuramento preliminar aos comboios conclui-se que o material circulante apresenta danos na ordem dos 70%, resultante do choque frontal a que ambos comboios foram submetidos.

Em face disso, desde as primeiras horas da ocorrência, foi já orientada à Administração da empresa do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes (CFM) a prestar todo o apoio necessário às famílias das vítimas e dos demais lesados.

Nesta hora de dor e luto, a Direcção do Ministério dos Transportes junta-se à dor dos familiares e expressa o seu mais profundo sentimento de pesar pelas vidas humanas perdidas.

O Ministério dos Transportes vai trabalhar com a autoridade de supervisão dos Caminhos-de-ferro e o CFM para fazer com que o transporte ferroviário seja efectuado de forma célere, mas de modo cada vez mais seguro.

LUANDA, 04 DE SETEMBRO DE 2018. O MINISTRO RICARDO VIEGAS D'ABREU